Publicações / Artigos, 'vseis'

O adolescente na criminalidade urbana em São Paulo

Ano:

1999  

Referência:

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA. O adolescente na criminalidade urbana em São Paulo. Brasília: Ministério da Justiça / Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, 1999. 

Tema(s):

Crianças e Jovens   Violência   

Tipo:

Livro

Idioma:

Português 

Formato:

PDF 
Download

Esta pesquisa ocupou-se de caracterizar a criminalidade juvenil na cidade de São Paulo. Pretendeu-se responder a algumas indagações que hoje ocupam a preocupação cotidiana do cidadão comum, entre as quais: vem crescendo, nos últimos anos, a participação dos adolescentes no movimento da criminalidade urbana, em especial de suas modalidades violentas? Quem é esse jovem que se envolve com a delinqüência? Qual o seu perfil social? Há alguma correspondência entre esse perfil social e as características que o senso comum atribui a esses jovens? Como o poder público, no exercício de suas funções constitucionais, tem logrado conter a criminalidade juvenil? É verdade, como muitas vezes se suspeita, que as autoridades públicas – policiais, promotores públicos, magistrados, dirigentes de instituições de custódia e atendimento à crianças e adolescentes – vêm se mostrando pouco rigorosas na vigilância da ordem pública e, por conseguinte, na distribuição e aplicação de sanções?
Os objetivos da investigação consistiram em: primeiro, conhecer a magnitude da delinqüência juvenil e sua evolução recente; segundo, caracterizar o perfil social do jovem infrator; terceiro, avaliar a aplicação das medidas sócio-educativas previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente.
O universo empírico de investigação compreendeu ocorrências policiais, praticadas por jovens entre 12 e 18 anos incompletos, que ensejaram a abertura de sindicância nas quatro Varas Especializadas da Justiça da Infância e da Adolescência, do município de São Paulo, nos anos de 1993 e 1996. A investigação teve por base coleta de dados objetivos, extraídos de fonte documental oficial (processos), os quais foram submetidos a tratamento quantitativo e estatístico expresso sob a forma de tabelas e gráficos.